17 de set de 2008

A ultima flor de cerejeira

Hoje passo os dias, que não são mais meus, vagando num parque em Hikarigaoka. As noites, essas sim são minhas de direito, não se vestem mais de negro, preferem um traje cinza quase mormaço, para fazer pirraça, penso. Os dias por aqui passam de cabeça para baixo, por isso colho meus litros de esmola e me entupo de fast food a base de peixe cru, é o que você faria se tivesse que viver como um morto depois de mendigo. E segue a primavera inodora.

Gravura do pintor japonês Tetsuya Ishida

5 comentários:

30 e poucos anos. disse...

Não deve ser fácil se acostumar mesmo ...

Bela gravura

Preta disse...

Gostei do texto. É bem escrito, expressivo!!
A imagem é meio chocante. rs
parece triste...

Abraço!

http://www.trilhasetrilhos.blogspot.com/

Caio Rudá disse...

As coisas do Japão...

Esse post está mais para o Elefante.

Janaína Moraes disse...

Gostei muito do seu blog.
Pelo nome julguei ser algo comppletamente diferente, gostei do fato de vc misturar as imagens com os textos.
è meio que cultural né?

fabiana disse...

primavera inodora é o fim dos tempos - acho que nem no Japão.