29 de jan de 2009

L.S. Maxwell - Caso 5

Sou detetive particular e em março de noventa e dois fui contratado pelo empresário JJ Jones para investigar a sua mulher. O senhor Jones suspeitava que O. Jones, a sua adorada esposa, estava lhe chifrando, digo, lhe traindo com o mordomo, o senhor W. Murph.
Nem precisei ir muito longe para puxar a ficha da gostosa, digo, da Sra. Jones. Apenas coloquei no Google o seu nome completo e obtive como resposta: "Você quis dizer: Vadia". Numa tarde eu recebi uma ligação anônima dizendo que W. Murph entrara acompanhado no Motel Honeymoon. Fiquei meia hora de butuca na porta do motel em meu Voyage 1985. Vi que não era a senhora Jones que acompanhava o mordomo, mas matei o desgraçado. O corno não era JJ, era eu.

Odalisca (vista frontal), James Pradier 

5 comentários:

fabiana disse...

final surpreendente!!!
vou soar repetitiva: MUITO bom.

Georgio Rios disse...

Cara este seu detetive esta porreta...Até google!!!!Continua que eu tô gostando...

Domingos Barroso disse...

Rapaz, vá escrevendo, vá escrevendo os seus casos. Em breve, teremos uma coletânea de bolso. Rapaz, você é um excelente roteirista.
Parabéns.
Que não demore o caso 6, por favor.
Abraços.

Digao disse...

Muito Bom Mesmo se isso tudo sai do teu cranio Parabéns
Temos Mas Um ilustre Escritor No Brasil

K.Rafael disse...

Cara, eu li o 7 e o 6, quandoli o 5 add aosfavoritos!


iejaijeaijeiaje very god man!