12 de jan de 2009

Soneto de incredibilidade

Tal qual uma madrepérola suja
Transcorre minha existência inútil
Tudo que presta me parece fútil
tudo sai, sem que minha mente fuja.

Cavo minha sepultura no céu
Rezo para que em meu enterro
eu descubra que tudo é um erro
e enfim descanse num mausoléu.

Para quem apelar nesta hora?
Para os santos que nunca rogaram
ou para deuses, pagãos da aurora?

O que digo é da boca pra fora
Se de algum lugar eles ouviram
Meu apelo não foi uma esmola.

12 comentários:

Floradas de amor disse...

As vezes me sinto assim, como escreveu, tão descrente de tudo, de mim.
Que bom que o mundo e redondo.
Gostei muito Ricardo, virei 'xeretar' mais :)

vinicius' disse...

bom post....legal o blog

Euzer Lopes disse...

Nossa... Como é cruel este texto.
Visceral demais. Parece até um alento de despedida.
Faça isso não!
Há uma vida bonita lá fora.

PROFESSOR ADEMIR disse...

Memórias póstumas?

Sei lá guri....achei isto meio fúnebre, macabro e subjetivo!!!

Ricardo Thadeu disse...

Euzer, diz isso p’ro meu eu-lírico.

รятª єяเkα! disse...

Triste mesmo esse post!
Mas todos nós passamos por situações que nos deixam assim, e acabam nos inspirando a essas obras!!

fabiana disse...

Diz o oráculo: 'Sempre haverá uma Atena ajudando o grande Odisseu'
- querendo ele ou não.
(já é de bom tamanho se preocupar com o agora; deixo o amanhã e o mausoléu pra Recoleta.)

Tiago Castelo disse...

Confesso que me trás até uma pontinha de medo, pensar no que fala a penúltima estrofe.

Sucesso!
Abraço!

- http://tiago-castelo.blogspot.com

Caio Rudá disse...

Vai, Camões.

Silvestre Gavinha disse...

Êhê, moçada boa de rima!!!!
Eu adorei.
Muito parecido com o que as vezes penso.
Se bem que, dadas as minhas circuntâncias, nem no céu eu cavo.
Tô mais para o outro lado.
Desde pequena mesmo, rogo pela "bela morte", mas essa prece não recebe ouvidos, minha durabilidade é genética.
Vou morrer encarquilhada.
"Vaso ruim não quebra".
Minha avó nem me deixa esquecer.
Brigadinha pela visita no Gavinhas. E que tal a tua lista???
Aguardo.
Grande abraço
Marie

UEH - Marcelo Leitner disse...

belissimo soneto.. belissimo

o.O

www.mapher.com

Nicodemos disse...

voc\~eescreve bem, meu caro
gostei dos teus poemas...