24 de fev de 2009

L.S. Maxwell - Caso 2 (segunda temporada)

Sou detetive particular e estava a investigar o roubo das luvas-da-sorte, objeto de estima do campeão mundial dos pesos pesados, John The Buffalo Woody. Woody acabara de ganhar o cinturão, após derrotar com um só golpe o mexicano Carlos El Toro Marquéz. Até hoje não se sabe ao certo onde Marquéz foi parar depois do soco que levou, mas semana passada alguns cientistas afirmaram que foram descobertas plantações de pimenta em Marte (ainda não entendi qual é ligação entre uma coisa e outra).  
O fato é que após a carnificina, digo, a luta, as luvas que vestiam as patas, quer dizer, as mãos do campeão desapareceram. Fui até a Arena Karl jr., em Houston, pois como todo bom detetive sabe: “O bandido sempre volta à cena do crime” (nem que seja para roubar as fitas da câmera de segurança). Foi batata. Encontrei na arena o juiz da luta, Sir Scott Belford, que confessou o crime: “Ora, não foi tão difícil. No boxe só juiz sabe contar até dez.”

  Shelter, Ashley Hop

5 comentários:

blog disse...

Irônico, com aquele toque de noir debochado.
Vale ler.
Mas o acento em Marquez é realmente no "e"? Não no "a"?
Enfim, pode ser mais uma das ironias do texto.

Abraço.

Ricardo Thadeu disse...

Sim, blog, existe uma lógica neste acento. O Marquéz do texto faz referencia ao 9º MarquÊS de Queensberry, que agora empresta seu nome para as Regras do MarquES de Queensberry, sacou?

blog disse...

Saquei.
E eu que, ingênuo, pensei que fosse uma referência aos roman noirs norte-americanos, principalmente ao D. Goodis, que tem em seu livro "Atire no Pianista" um persongem chamado Márquez.
É isso aí.
Mande ver.

Ricardo Thadeu disse...

Não, não. O romance do David(que acabou por virar um longa nas mãos do François Truffaut) não tem nenhuma relação com o meu Marquéz.

Aliás ele, o Marquês, deve está feliz da vida agora (esteja onde estiver).

Lê Stabiili disse...

Adorei...

Adorei mais ainda a imagem do post!Cada detalhe me chamou a atenção!!!

Abração pra vc e tudo de bom!