2 de fev de 2009

L.S. Maxwell - Caso 8

Sou detetive particular e estava na cola do pilantra M. García, vendedor de um produto para emagrecer. O fulano iludia as gorduchas, perdão, as inocentes garotas com a promessa de um corpo de deusa, porém o medicamento tinha como principal efeito colateral a perda gradativa dos membros superiores. Fui até a Clínica San Wallace colher algumas informações com as vítimas do tal redutor de medidas. Na ala dos zumbis, quer dizer, dos pacientes em estado terminal havia cerca de dez magricelas, digo, dez moças amplamente esbeltas e sem os braços. Uma delas estava tão magra que fora encaminhada à clínica via fax; outra foi convidada para representar o Esqueleto no novo longa do He-man (nem todo mundo é Spielberg, fazer o quê?); e outra ficou tão magra que precisava correr para tomar banho.
Saí da clínica e passei imediatamente numa farmácia para comprar o tal emagrecedor. Não, não preciso de um remédio para perder a pança... ainda posso ver os meus pés, não posso? Comprei uma amostra para matar a charada, trucidei-a. A resposta estava no rótulo: "Diet Olimpo – Tenha o corpo da Vênus de Milo em seis semanas".
Vênus de Milo (vista frontal)

4 comentários:

fabiana disse...

Cruel!!!!!

Silvestre Gavinha disse...

ÔôôÔpa!! Movimento ascendente.
Adorei esse caso.
Meu lado detetivesco diz que à visão de estátuas te esmeras mais que à de simples pinturas.
"Cinestesia" afinal, também é importante faro.
Como toodos, adoro teus casos.
Grande abraço
Marie

K.Rafael disse...

aeuehauehuaheuaehaueh

Realmenteo slogan doproduto falava a verdade... que pena véi =/

Domingos Barroso disse...

Meu rapaz, são as inesperadas sacadas (sobretudo em cenas curtas) que diferenciam o cara talentoso do sujeito fajuta.

Tem de haver estrutura no que se pensa e escreve - principalmente quando se desestrutura o comum.

O sarcasmo, a ironia,
o humor negro pedem do autor uma liberdade voraz em todos os sentidos.

Até percebo em determinadas imagens tu próprio - por gesto simbólico - lavando as mãos e sussurrando: "eu não tenho nada a ver com essas loucuras..."

Meu rapaz,
tu és um cara de talento.
Parabéns.

Por favor, o caso 9.
Abraços.