11 de nov de 2011

Paródias paradas (I)

noite alta    lua baixa
pergunte ao sapo
o que ele coaxa 

p. leminski

maconha    e festa
prenda o estudante
que ele protesta

r. thadeu
(Foto: Luísa Brito/G1)

5 comentários:

Georgio Rios disse...

Saindo da mesmice ,Tahdeus capta o instante e tranforma o que é aprentemente banal, num aparato lírico e de tão bela poesia.

Caio Rudá de Oliveira disse...

leminski, babinski...

Izana disse...

descobri que vcs vieram antes do twitter :)

Lidi disse...

Grande Thadeu, grande poeta.
Abração.

Dayana disse...

Adorei a ultima estrofe!
Obrigada por transformar o cotidiano em poesia! Abraço