2 de out de 2015

REC #1: Quem embigodou o Menudo?

Em minha casa não tinha toca-discos. Na casa de Vovó, sim. E sabe como é casa de avó, não é? É a casa de todo mundo. Dos netos, dos filhos principalmente. O fato é que o toca-discos de Vovô era o único “som” que a família tinha. Um daqueles grandões que era também toca-fitas e rádio AM/FM. Eu gostava de mexer no grande e prateado botão do volume. Gostava de apertar o botão REC sem fita dentro para ver “o cabeçote chorar”. Gostava de escalar as caixas de som feitas de compensado e espuma preta. E, como toda criança dos anos 90, gostava de mexer nos bolachões em obsolescência. Tinha um do Chiclete com Banana já bem acabadinho, tinha um “Parabéns para você” que Vovô botava para tocar quando alguém comemorava aniversário lá. Tinha um do Pink Floyd que foi comprado por engano em Feira de Santana e que, segundo um primo mais velho, era amaldiçoado: quem escutasse pegaria fogo como o cara de terno na capa. Tinha um disco de Xuxa, outro de Gonzagão. Tinha até um da trilha sonora de uma novela da Globo, não recordo qual. E tinha um do Menudo. Ninguém escutava o do Menudo. Nem a dona do disco que, àquela altura, preferia qualquer coisa ao Menudo. Aí, um dia, munido de uma caneta Bic, me veio a ideia de intervir artisticamente em algumas capas. Dei um dente podre à Xuxa, aumentei a cabeleira do sovaco de Bel e fiz um bigode decente num Menudo. Sabe aquele bigode leminskiano? Na moral, ficou melhor. Vovó só viu a arte capilar no bolachão do Menudo, digna de um barbeiro profissa, e se retou. Não pelo disco em si, mas pelo “vandalismo”. Descobri, na ocasião, o que significava a palavra vandalismo. Vovó perguntou quem foi, um interrogatório da zorra. Quatro adultos na casa e nenhum viu a arte. Muito menino na casa, nenhum cabueta. Tempinho depois, Vovó esqueceu a traquinagem. Tempão depois, jogou o toca-discos (ninho de cupins) no lixo. Ninguém soube quem embigodou o Menudo. Pois, chegou o dia, parentada: foi o primo mais velho.

Outra intervenção artística numa capa do Menudo.
Na moral, ficou bem melhor.

5 comentários:

Rafael Bento disse...

Show. Perfeito, como tudo que você faz, Man. Parabéns Ricardão. Sucesso!!!

Ricardo Thadeu disse...

Obrigado, Rafael! Abraço!

Ederbal Miranda disse...

Uma bela crônica. Eu gosto de crônica...

Ricardo Thadeu disse...

Valeu, Ederbal Miranda.
Também gosto de crônicas.
De lê-las e ecrevê-las rs
Volte sempre!

Wileyde Queiroz disse...

Ricardo, fiquei com gosto de quero mais!!!!! Adorei mesmo!!
Muitas risadas. Por favor, traga mais histórias.
Em todas eu revivi claramente a minha/nossa infância.

Obrigada!!!!