12 de nov de 2016

CRÔNICAS DE UM FUTURO IMPOSSÍVEL: #FinalDeCampeonato (S.1, EP. 2)

A história que segue se passa em algum momento de nossa História futura. Dizem os astrônomos que estaremos na Era de Capricórnio, mas eu duvido de qualquer coisa que envolva políticos brasileiros, derivados da soja, astrônomos usando turbantes engraçados e duplas sertanejas.

— Vai rolar a bola! — Grita o narrador.
— Teremos uma partida e-m-o-c-i-o-n-a-n-t-e, caro Alvarola Juniorrrrr... — dispara o comentarista.
Os dois, comentarista e locutor, estão a milhas de distância do estádio. Provavelmente sentados no sofá, de cueca, respirando por aparelhos, barba por fazer, enquanto seus avatares personalizados tornam a transmissão mais palatável pro público
— Num oferecimento de... — Toca-se a vinheta, faz-se o reclame.
Nas luxuosas cadeiras do estádio, a torcida é quase a mesma. Camisas nas cores dos times, chapéus, bandeiras. Extinguiu-se apenas o grito de guerra. O silêncio na arena é mortal.
— E quem será o vencedor dessa temporada, Marcelinho Pedroso?
— A disputa está emocionante, Alvarola, temos um jogo muito disputado, as duas equipes empenhadas. Sei não, viu....
— Então, vamos conferir as parciais, com a repórter Juliana de la Peña!
No campo, uma repórter franzina, espremida na cerca de dois metros que ladeia o gramado, está de prontidão pra dar as informações. Em seu sorriso, há vestígios de desconforto e do clareamento dental recém aplicado numa clínica clandestina.
— Pois é, Alvarola, a disputa está apertadíssima, ninguém sabe quem vai ser o vencedor e a demora na divulgação das parciais está deixando todo mundo confuso, Alvarola!
— Juliana, e qual é o clima aí no gramado?
— Tempo bom, Alvarola! Estamos com 29 ºC, umidade 73%, com ventos de até 18 km/h, Alvarola!
— E os jogadores, Juliana?
— Estão tranquilos, esperando seus vencimentos e o bicho da partida, Alvarola!
— E os avatares?
— Os avatares já estão em campo, emulam os melhores momentos de um jogo clássico da Era dos Clubes: semifinal da Taça Libertadores da América de 2000, Alvarola!
— Obrigado, Juliana! — Nova pausa pra vinheta — E você também pode decidir essa disputa! Se você quer que o time alviverde vença, envie #GoAlviverde. Se você quer que o Alvinegro vença, #GoAlvinegro!
Sessenta mil torcedores com os olhos fixos nas telas de seus smartphones. O serviço de som anuncia o vencedor. O tempo muda. Uma chuva de hashtags desaba sobre a arena.

São Marcos se eternizando em 2000. Mais sobre esse episódio AQUI

11 de out de 2016

CRÔNICAS DE UM FUTURO IMPOSSÍVEL: A morte da morte (S.1, EP. Piloto)

Hoje, nós conseguimos acabar com a morte. Nós não, um grupo de gringos com “Dr.” antes de seus sobrenomes enormes com mais consoantes do que vogais. Eles venceram a morte. Nós, a vida. Eles comemorarão o Nobel. Nós celebraremos uma garrafa d’água que sobrou de ontem. E continuaremos "morríveis" como meros mortais que somos. Reviver exige: dinheiro, tempo, um corpo são, alguma sorte e pouca fé. Tudo que nós não temos. Dinheiro não existe. Tempo é trabalho. Corpo são... Com essa água...  Fé é o que nos resta.
A água, aliás, está cada vez mais barrenta. Para nós, anciões da virada do século, tomar banho de lama com cheiro de merda é um insulto. Imagine a cara de decepção desse sujeito, que foi ressuscitado, ao perceber que cair nos braços da criogenia não foi uma boa ideia. Deve ser a mesma cara que a gente faz todo dia, diante das ondas que quebram onde antes reinavam solitários os xique-xiques.
Semana que vem, farão um novo experimento. Aquele cantor famoso que fazia caridade será revivido. Teremos um Sir de volta à vida. Daria um mês fechado de minha aposentadoria mais duas garrafas de H2para presenciar a cena do descongelamento:
— Senhor P., seja bem-vindo de volta!
— De volta?
— O senhor estava morto. Quer dizer...  Seu corpo foi preservado e nós conseguimos ressuscita-lo.
— Good. Onde está meu smart phone?
— Smart phone?
— Sim, preciso postar isso em meu Twitter.
— Senhor P., precisamos conversar sobre o futuro.
E depois de uma longa prosa sobre os novos e velhos rumos da humanidade, o Senhor P. se convencerá de que a vida nos anos cinquenta, sem desodorante spray no supermercado da esquina, era uma merda; no começo dos anos dois mil, com o MP3 e as musas pop, também era uma merda. Mas era uma merda puramente metafórica. A literalidade acaba com o romantismo das narrativas de época. De qualquer época.

Jimi Hendrix e Mick  Jagger (1969)

25 de set de 2016

Lançando "Os catos" em Riachão

Na última sexta-feira, 23/09, lancei meu quinto livro, Os cactos não voltam pra casa (Penalux, 2016, 72 p.), no pólo da Unopar de Riachão do Jacuípe. Na ocasião, estudantes, professores, amigos e familiares estiveram presentes. O cantor e compositor Erivan Lima apresentou algumas canções de seu repertório e me acompanhou ao violão enquanto li uma seleta de poemas. Georgio Rios, escritor e fotógrafo, fez a cobertura fotográfica do evento; segue abaixo alguns de seus cliques:





Quem não pôde comparecer ao evento pode adquirir seu exemplar entrando em contato comigo por aqui mesmo, no espaço dedicado aos comentários, ou na loja virtual da Editora Penalux.

22 de ago de 2016

REC Temporada 2/Ep. 9: A gaveta das memórias é um negócio de família

Quando eu ainda morava na Rua do Cemitério, gostava de mexer nas gavetas dos mais velhos. Minhas gavetas eram sempre as mesmas: duas de roupas, uma de livros da escola, uma com jogos de tabuleiro, que nunca aprendi a jogar, e uma que servia como cemitério de bonecos e ferro-velho de carrinhos. Uma chatice. Criança não tem o que esconder em gavetas. Afinal, ainda não acumulou um passado em papéis, fotos e cartas.
As gavetas dos adultos tinham o jeitão deles. Meu pai guardava, numa gaveta do guarda-roupa, um montão de papéis da época do estágio, alguns classificadores com atividades e documentos que ele arquivava com cuidado. Tinha também alguns álbuns de figurinhas incompletos, fotos da época da juventude, revistas de mulher pelada e livros de disciplinas que já tinham saído da grade curricular quando ingressei na escola. Por fim, tinha umas cadernetas escolares, de controle de presença, que eu gostava de folear. No cabeçalho, lia-se “Centro Educacional Cenecista N.ª S. da Conceição”.
— Vovó, o que é Cenecista?
— Cenecista? Pergunte a seu pai.
— Papai, o que é Cenecista?
— Cenecista? Ah, pergunte a sua mãe!
E eu entrava numa daquelas gavetas de perguntas que enfiam as crianças até elas se convencerem de que não foi uma boa ideia perguntar.
Minha mãe guardava, num compartimento da estante da sala, um monte fotonovelas, almanaques, revistas de horóscopo, de moda e de fofoca da vida de artistas que eu não sabia o nome. Tinha também uma coleção de livros clássicos e alguns religiosos que ela deve ter comprado nos tempos de Pastoral da Juventude. No guarda-roupa, ela tinha uma cabine cheia de cosméticos que despedaçavam com um simples toque. Aprendi que era melhor ficar longe dessa última gaveta. Tomar duas chineladas por causa de um vidro de esmalte tão sensível não era legal.
As gavetas mais legais eram as de minha avó. Ela tinha uma máquina de costurar com quatro. Cartas escritas à mão com uma caligrafia linda, cordões, linhas, agulhas de vários tamanhos, tesourinhas de unha (que envergavam as pernas e cabiam numa caixinha retangular), bilros, prendedores de cabelo, canivete enferrujado, anéis de prata, terços de cores variadas, livrinho de catecismo, relógio magnético, moedas e cédulas antiquíssimas, caderno de debuxos, minidicionário (bem pequeno mesmo, preso a um chaveiro) e todo tipo de retalho de memória que ela conseguia dobrar e enfiar naquelas quatro gavetas.
Quando mudei pra Bela Vista e vi a quantidade de coisas que levávamos na bagagem, percebi que todo adulto lá de casa colecionava, a sua maneira, um pedaço de história. Coletâneas de recordações mais ou menos como esta que faço aqui no blog. Talvez esse gosto por objetos do passado seja uma coisa hereditária. Talvez seja uma coisa exclusiva nossa, um trato tácito de não apagar o que passou, family business.

Capa da fotonovela "Sétimo Céu" (Bloch, 1982)
Esta e outras raridades você encontra AQUI

9 de abr de 2016

Lançamento Duplo

"Trilogia do asfalto" de Dênisson Padilha Filho e "O pênalti perdido" de Marcus Borgón, ambos pela P55. Na Tropos, Rua Ilhéus, 214, Parque Cruz Aguiar, Rio Vermelho, Salvador, Bahia, Brasil. Terça-feira, 19 de abril de 2016 às 19:00.


2 de abr de 2016

Quando eu era

Quando todo menino roubava manga.
Quando todo menino jogava bola.

Quando todo menino do mundo
Gostava do Xou da Xuxa.

Quando todas as árvores da rua eram vivas.
Quando era viva a velha que vendia
Doce na porta da rua.

Quando a revista de mulher nua ainda tinha
Mulher nua de verdade.

Quando todas as esperanças eram moças
E faziam graça na frente do Beira Rio.

Eu era mais um menino entre mangas,
Canela suja, assistindo tevê.

Eu era mais uma árvore da rua
Fazendo sombra pra velhinha do doce.

Eu era mais uma hora no banheiro
Na companhia de uma modelo peluda.

Eu era a esperança, jovem,
Comprando balas no Bar de Seu Neli.

Propaganda do delicioso caramelo Nestlé.
Mais curiosidades AQUI

25 de mar de 2016

REC Temporada 2/Ep. 8: Batendo perna no picadeiro da vida

No meio de um jogo de gude, um menino chegou avisando que tinha circo na cidade.
— O moço ta dando ingresso a todo mundo! Bó lá, bó lá!
Quebramos a praça do fórum, deixando as gudes e sandálias pra trás, e saímos correndo, uns quinze, na direção do Campo da Nação onde se arma circo até hoje. No meio da lona, dos ferros e das tábuas que virariam arquibancadas, estava o palhaço. Seco, alto e com uma pintura quase desbotada, fazia todo tipo de galhofa pra uns oito meninos que já estavam lá antes de minha manada chegar em busca de entradas pro espetáculo daquela noite.
— Quem quer ingresso?
— Eu!
— Quem quer entrar de graça?
— Eu!
— Quem faz xixi na cama?
— Eu!
Risadas, risadas e mais risadas. Tudo de verdade, criança não ri pra agradar ninguém.
— A gente vai dar uma volta na cidade. Quando eu disser: Hoje tem palhaçada? Vocês respondem: Tem sim-senhor! 
— Hoje tem marmelada?
— Tem sim-senhor!
— Hoje tem trapezistas, malabaristas, equilibristas e o globo da morte! Não percam!
Percorremos a cidade toda no encalço do palhaço. Meninos e meninas se juntavam ao grupo por livre e espontânea vontade. Quando alcançamos da igrejinha da Bela Vista, já éramos uns quarenta. Por fim, ganhei meu ingresso. Cheguei em casa com a canela cinza e um sorriso cheio de dentes amarelos. Minha mãe estava na sala, cortando isopor. 
— Umbora, mai-nha! Vai ser bom!
— Chame seu pai, eu não gosto se circo.
Assim eu fiz:
— Ô, papai, bora...
— Mais qua! Gastar dinheiro com circo. A gente já vive num circo.
— Mas eu ganhei o ingresso ajudando o palhaço, ó aqui!
— Gastou canela à toa. Aqui diz: desconto na entrada. Nada é de graça nessa vida.
Não chorei mais porque, assim que o espetáculo começou, pude ouvir tudo da casa onde a gente morava. Só depois de grande entendi o que meu pai quis dizer. Antes de gastar canela é preciso usar a cabeça pra não ser feito de palhaço por aí.

Capa do VHS de um cráássico da Sessão da Tarde:
Os Saltimbancos Trapalhões (1981)

23 de mar de 2016

REC Temporada 2/Ep. 7: Julgando um livro pelo riso

O que aquele livro da capa roxa tinha de tão especial? Meus amigos e eu não sabíamos. Os meninos mais velhos apreciavam a “obra proibida” juntos. Em algum canto, longe dos olhares das professoras, liam um trecho. Depois, riam e faziam cumprimentos legais com as mãos. Nós, pirralhos diante de lancheiras abertas, só observávamos. Uma vontade danada de fazer parte daquela conversa. Mas que porra de livro era aquela? Nenhum de nós ousava encostar pra perguntar. Era cascudo e beliscão na certa. Fora a pirraça eterna.
— Do que esses menino tanto ri?
— Sei não, Tuca.
— Eu queria rir também.
— Meu tio fala coisa engraçada...
— Esse livro deve ser bom.
— Melhor do que a cartilha?
— A cartilha é engraçada? 
— Sei não, Tuca. Tu acha?
Conversar com Tuca era isso aí. Eu nunca sabia de nada e ele sempre falando que queria fazer as coisas que só os meninos grandes podiam.
No ano seguinte, a gente teve o primeiro contato com a biblioteca. A professora inventou uma maratona de leitura. Ganhava quem lesse mais obras no tempo que ela determinou. A meninada correu pras estantes de livros fininhos. Não sobrou um Chapeuzinho Vermelho pra contar história. Foi aí que, numa prateleira repleta de Vaga-lumes, achei um exemplar do livro da capa roxa.
— Será que é o mesmo?
— Deve ser.
— Deixa eu ler?
— Depois de mim.
Atrapalhada com tanto menino pra pegar livro, a bibliotecária mudou a estratégia:
— Vocês levam os livros e a professora passa uma lista de empréstimo na sala.
Não teve lista certa. Ficou tudo na confiança. Quem, naquela idade, roubaria um livro? Corri pra casa do jeito que minhas banhas permitiram. Mal cheguei, comecei a ler. Começando pelo título, que eu nem tinha decodificado na escola: Antologia do Conto Adulto.
Na manhã seguinte:
— E aí? Leu?
— Li. 
— É engraçado?
— Não. 
— É de terror?
— Não.
— E o que essa peseta tem então nesse livro da capa roxa? 
— Tem umas histórias de ousadia...
— Uia... — disse Tuca naquele tom ameaçador que menino faz quando sente inveja da estripulia que outro fez.
— E tem um monte de palavra que eu não sei o que é.
Fiz a devolução e fingi que não tinha lido pra não me encrencar. Peguei um exemplar manjado d'O Escaravelho do Diabo e desisti da maratona na primeira semana. Não lembro de nenhuma história do tal livro da capa roxa. Nem sempre livros especiais tem algo de especial em suas páginas.
Jovens Contos Eróticos (Vários Autores, Brasiliense, 1987)

20 de mar de 2016

REC Temporada 2/Ep. 6: Quando o medo bota ovo

O pior medo que eu tive no tempo de criança vivia dentro de minha cabeça. Em algum lugar, entre o medo do escuro e o medo de lobisomem, em alguma porta entre a do medo de careta e a do medo de doido, em alguma casa entre o castelo do conde Drácula e o número 71 da vila do Chaves. Lá, residia o medo da morte. Monstro primitivo que não devora crianças que não dormem cedo. Não, ele fica escondidinho até a gente se deparar com a perda de um ente querido. Um cachorro atropelado, um tio-avô centenário que perdeu as forças, uma vizinha que ficou careca e depois foi morar com Deus.
— Ela morreu?
— Morreu, meu filho. Agora, ela mora no céu.
— Eu queria morar no céu. 
— Bate na boca, menino!
— O céu é ruim?
— Não, é bom... um lugar bem bonito.
— Então...
— Mas só entra lá quem Papai do céu chama.
Ninguém me convidava pros aniversários. Vovó nunca deixou eu morar na casa dela. E se Papai do Céu não me quiser lá também? Vovó conversa com ele mais do que eu. E agora? Vou ficar pra semente? E se eu morrer sem o convite? Vou ficar de camisa preta, assombrando o povo que nem Alexandre daquela novela?
— E quem não vai pro céu quando morre?
— Vai pro inferno, morar com o bicho de olho de fogo.
— O diabo?
— Olha a boca!
Eu não podia falar o nome do contrário de Deus, mas Tião Galinha falava o tempo todo na novela. Era "diabinho" pra cá, "cramunhão" pra lá. E quando o pobre lavrador galináceo morreu enforcado numa cela, minha mãe me tapou os olhos.
— Olha isso não! 
Fiquei curioso. Aquele medo, que andava escondido dentro da cabeça, decidiu sair e coçar, como uma pulga, atrás da orelha.
— Titia?
— Oi?
— Como Tião Galinha morreu?
— Foi assim — e a tia juntou 3 medos num: careta, cara de doido e jeito de morto.
Chorei de medo. Medo do monstro mais primitivo, daquele que continua assombrando os homens até que eles não tenham mais uma vida pra temer. O medo de sentir medo é mais forte que o medo do fim.

Tereza Seiblitz (Joaninha), a Galinha e Osmar Prado (Tião)

Bônus: Quem quiser "fechar o corpo" com um Diabinho na Garrafa, basta clicar AQUI pra ver a receita completa na voz inconfundível de Antônio Fagundes (Coronel Zé Inocêcio).

19 de mar de 2016

REC Temporada 2/Ep. 5: Cada pessoa escolhe aquilo lhe acolhe

Meus pais eram católicos. Bem católicos. Ainda são. Por isso, quando meu pai comprou um som com tocador de CD, vários cantores de igreja começaram a entoar seus hinos lá em casa. O bom dessa época é que a gente via menos televisão e escutava mais música. A ruim é que eu não tinha grana pra comprar meus próprios CDs. Aí, o jeito era rezar pra que meu pai escolhesse “O Grande Encontro”, ou “O Terço Toca Raul”, ou qualquer um do Pink Floyd. Eu tinha umas fitinhas de punk rock e reggae, que consegui com uns brothers da Rua do Cemitério, mas não podia ouvir na presença dos mais velhos.
— Você pode escutar o que quiser. A escolha é sua. Mas quando eu estiver em casa, quem escolhe o CD sou eu. Combinado?
Tinha como descombinar?
Um dia, meio injuriado com a vida, coisa que acontecia toda hora na pré-adolescência, olhei pra capa de um daqueles CDs das Paulinas e soltei essa pérola escrota:
— Esse cara é viado.
— Oxe, viado? — Respondeu minha mãe franzindo a testa.
— Olha esse arco-íris na capa do CD — respondi em tom de afronta mesmo, eu não tinha noção do perigo.
— Dark Side of the Moon tem um arco-íris na capa, não tem? — Disse meu pai, tropeçando no inglês.
— Mas ali...
— E outra: se ele for viado é da conta de quem? — Disse a mãe encerrando o assunto e aumentando o volume.
O CD com o arco-íris na capa (e um cara de jaqueta jeans e crucifixo no pescoço) ainda está lá na estante da sala. Meus pais já não curtem um som como naquela época, por falta de tempo. Ou por aquele desinteresse por coisas “menos importantes” que a idade traz. Mas continuam ensinando os mais novos a não se meter na escolha e no jeito dos outros. Combinado?

Jonny, A força da oração, Paulinas
Mais informações AQUI

29 de fev de 2016

REC Temporada 2/Ep. 4: Ninguém mascava chiclete até acabar o gosto

Todo mundo queria as figurinhas. Aquelas dos dinossauros que vinham na bala amarga. Aquelas que vinham no chiclete e que colava no caderno, raspando com a unha do polegar. Aquela outra que vinha no pacote de biscoito e não perdia o cheiro e o visgo do biscoito nem a pau. E aquela outra que vinha no chocolate e nossa mãe usava pra marcar livro. Ninguém queria o salgadinho. Ninguém ligava pro chiclete, ou pra a bala amarga, ou pro chocolate. Aliás, o chocolate todo mundo queria. Mas eu não dividia.
Enfim, quando os poquemons invadiram como vikings nossas vidas, saqueando nossas aulas de geografia, queimando nosso tempo livre e pilhando toda a grana que pingava em nossos bolsos, um fabricante de petiscos ensacados fez o imenso favor de lançar cartinhas colecionáveis (jogáveis e brigáveis) dos monstrinhos que apareciam no programa de Eliana de segunda a sexta.
— Pai, me dá cinquenta centavos?
— Cinquenta centavos? Tu quer isso tudo pra quê?
Isso tudo. Era uma dinheirama da porra mesmo. Dava pra comprar cinco geladinhos de Dona Tereza, ou uma acarajé, ou um misto no São João, ou um cachorro-quente na quermesse de São Roque, ou um refi em lata, ou um salgadinho que vinha com figurinha colecionável (jogável e brigável).
— Mas é cada uma! Salgadinho! Tu nem gosta de salgadinho!
Isopor com sal não é minha praia até hoje. Mas, e a figurinha?
— Eu como salgadinho sim!
Só comprei um. E não consegui engolir todas aquelas conchinhas com cheiro de vômito. Naquele período, enchi a pança mesmo foi com os apresuntados da cantina da escola. E dormi como o Snorlax da única cartinha que eu tive.

Card Pokémon Snorlax (Elma Chips, 2000). Minha cara, não?
Veja essa e outras curiosidades aqui.