23 de mar de 2016

REC Temporada 2/Ep. 7: Julgando um livro pelo riso

O que aquele livro da capa roxa tinha de tão especial? Meus amigos e eu não sabíamos. Os meninos mais velhos apreciavam a “obra proibida” juntos. Em algum canto, longe dos olhares das professoras, liam um trecho. Depois, riam e faziam cumprimentos legais com as mãos. Nós, pirralhos diante de lancheiras abertas, só observávamos. Uma vontade danada de fazer parte daquela conversa. Mas que porra de livro era aquela? Nenhum de nós ousava encostar pra perguntar. Era cascudo e beliscão na certa. Fora a pirraça eterna.
— Do que esses menino tanto ri?
— Sei não, Tuca.
— Eu queria rir também.
— Meu tio fala coisa engraçada...
— Esse livro deve ser bom.
— Melhor do que a cartilha?
— A cartilha é engraçada? 
— Sei não, Tuca. Tu acha?
Conversar com Tuca era isso aí. Eu nunca sabia de nada e ele sempre falando que queria fazer as coisas que só os meninos grandes podiam.
No ano seguinte, a gente teve o primeiro contato com a biblioteca. A professora inventou uma maratona de leitura. Ganhava quem lesse mais obras no tempo que ela determinou. A meninada correu pras estantes de livros fininhos. Não sobrou um Chapeuzinho Vermelho pra contar história. Foi aí que, numa prateleira repleta de Vaga-lumes, achei um exemplar do livro da capa roxa.
— Será que é o mesmo?
— Deve ser.
— Deixa eu ler?
— Depois de mim.
Atrapalhada com tanto menino pra pegar livro, a bibliotecária mudou a estratégia:
— Vocês levam os livros e a professora passa uma lista de empréstimo na sala.
Não teve lista certa. Ficou tudo na confiança. Quem, naquela idade, roubaria um livro? Corri pra casa do jeito que minhas banhas permitiram. Mal cheguei, comecei a ler. Começando pelo título, que eu nem tinha decodificado na escola: Antologia do Conto Adulto.
Na manhã seguinte:
— E aí? Leu?
— Li. 
— É engraçado?
— Não. 
— É de terror?
— Não.
— E o que essa peseta tem então nesse livro da capa roxa? 
— Tem umas histórias de ousadia...
— Uia... — disse Tuca naquele tom ameaçador que menino faz quando sente inveja da estripulia que outro fez.
— E tem um monte de palavra que eu não sei o que é.
Fiz a devolução e fingi que não tinha lido pra não me encrencar. Peguei um exemplar manjado d'O Escaravelho do Diabo e desisti da maratona na primeira semana. Não lembro de nenhuma história do tal livro da capa roxa. Nem sempre livros especiais tem algo de especial em suas páginas.
Jovens Contos Eróticos (Vários Autores, Brasiliense, 1987)

Nenhum comentário: